sábado, novembro 29, 2008

Violência escolar: quem é a vítima?

Gustavo Ioschpe, Veja

Estudo recente da Unesco, chamado "Repensando a escola", enviou pesquisadores/observadores a 225 escolas de dez estados. A pesquisa revelou coisas interessantes. Alunos da 4ª série tinham dificuldade em preencher, nos questionários, o campo que perguntava seu sexo, pois não sabiam o que era "masculino" e achavam que "feminino" identificava os garotos. É uma escola que insiste na disciplina e coíbe a criatividade e a curiosidade do aluno. Oitenta e oito por cento dos alunos responderam que a definição de bom aluno é "aquele que obedece à professora". "Fazer muitas perguntas" ficou com apenas 8% dos votos. É uma escola em que a pregação ideológica substitui a preocupação com o saber e em que o viés político contamina até os níveis mais altos da administração escolar. A característica do bom diretor é "ser democrático na tomada de decisões" para 90% dos próprios diretores. "Conhecer e aplicar as regras de administração escolar" só levou 64% das preferências. Os professores se têm em alto conceito, ao contrário da sua impressão sobre os alunos. Quando um estudante é reprovado, por exemplo, os professores atribuem a culpa a ele (39%) e aos pais dele (24%). Os próprios professores só são culpados segundo 2% da categoria. Quando um aluno não faz o dever de casa, 77% dos professores apontam a preguiça como culpada. Trinta por cento dos alunos pesquisados dizem ter medo dos professores e 13% afirmam sofrer humilhações. Diz o relatório da pesquisa: "Na maioria das salas de aula observadas, ou dos professores observados, não parecia haver preocupação com o planejamento, e este, quando havia, era pouco estimulante, limitando-se quase que exclusivamente a seguir o livro didático, tornando as aulas enfadonhas e de pouco interesse. As aulas são monótonas, sem alegria, sem novidades, sem recursos". O recurso "didático" mais freqüentemente observado era a cópia pura e simples de matéria do quadro-negro. Isso não é dar aula, muito menos educar. Se temos um sistema educacional que trata os alunos como mimeógrafos, que atribui a dificuldade dos estudantes à sua preguiça ou pobreza e que se recusa a fazer uma auto-análise, não é de surpreender que os alunos se revoltem com essa instituição e a tratem com o mesmo desprezo com o qual são tratados por ela. ÍNTEGRA

1 Comments:

Anonymous Marisa said...

Bem, se são os alunos as vítimas de plantão, os que estão sucumbindo à falta de criatividade do sistema educacional e dos docentes, o que dizer da geração (nossa) dos professores de hoje? Bulling, assédio moral e discriminação são brincadeirinha perto das escolas dos anos 70 e 80. Porém, a despeito de tudo isso, a nossa geração que foi educada com autoritarismo e se vê obrigada a educar com carinho e criatividade uma geração moldada nos tempos da banalização da violência vem sim se desdobrando para construir a educação deste Brasil," brigando" com salas lotadas. E que história e essa de "cordeirinho" ? O que nós queremos é alguém(alunos) que possa interagir com as aulas, que possa comprometer-se , minimamente, com a razão da escola. O sr Gustavo Ioshope faz críticas pertinentes para os anos 70, 80 no século 21!!! Que ele saia de seu gabinete de Intelectual e vá dar aula eventual, e aproveite para tomar no Cu!!!!
--------------------------------------------------------------------------------
Date: Mon, 1 Dec 2008 15:58:00 -0300
From: marilusilvia@yahoo.com.br
Subject: Gustavo Ioschpe na Veja de Novembro ( de novoooo) rs
To: marilusilvia@yahoo.com.br

2:38 PM  

Postar um comentário

<< Home

Google
online
Google